Minimalista

“Ame as pessoas e use as coisas, porque o oposto nunca dará certo”

Mais de uma vez afirmei que cinema não serve para doutrinar. Para dar lição de moral. Para propagandear, fazer política, coisas assim. Pelo menos não deveria. Cinema é arte e como toda arte deve existir simplesmente por existir. Não precisa – e nem deve – de motivos.

O mesmo não serve para documentários, um segmento que pode ter a pretensão de ensinar ou denunciar algo. Pode. Nada além. Porém, da mesma forma que o autor tenta mostrar sua opinião, o espectador tem a liberdade de concordar ou não. Desligar a TV nos primeiros minutos é bastante razoável se você achar besteira o que está documentado.

Resultado de imagem para minimalism: a documentary about

Esse não foi o meu caso quando assisti Minimalism: A Documentary About the Important Things, um documentário de 1h18 minutos, lançado em 2016, com direção do desconhecido Matt D’Avella. No dicionário a definição de minimalista é “Que está reduzido ao mínimo ou pretende reduzir ao mínimo”. Mas creio que vai um pouco além disso.

Estilo de vida

O sensacional Pepe Mujica, ex-chefe de estado da República Oriental del Uruguay, um personagem admirado nos cinco continentes e conhecido como “o presidente mais pobre do mundo”, tem uma frase magnífica sobre consumo. Ele disse algo como “quando você compra alguma coisa, não é dinheiro que você está dando em troca. É o tempo de sua vida que você trabalhou para ganhar aquele dinheiro”. Ou seja, quando você compra uma camisa colorida que provavelmente nunca vá usar, você gastou sua vida nela. E nossas vidas, isso é notório, tem prazo. Nosso tempo é finito. Então, seja quantos “dinheiros” você pagou, será caro. Muito caro.

Ser minimalista não implica em não ter coisas. Ou ter produtos de qualidade inferior. Nada disso. Ao contrário. Basicamente significa ter o suficiente. Ao invés de dezenas de camisas, ter duas ou três, de qualidade, se isso for importante. 

Enfim, não vou “panfletar” aqui no Partiu Cinema. Mas, sem dúvida alguma, recomendo.

É um pouco chato, confesso, mas vale a pena. 

A frase lá do início encerra o documentário. Ela é genial!

Está no Netflix.