O Guardião Invisível

Acho o cinema espanhol maduro. Ele têm componentes que o tornam um dos mais completos da atualidade. Já falei um pouco sobre isso no palpite de A Praia dos Afogados, outro bom filme tal qual O Guardião Invisível. Ambos baseados em livros homônimos.

As coincidências não param por aí: os dois são escuros, tensos e complexos. Misturam o sobrenatural com elementos de filmes policiais. A mistura é legal. Torna tudo mais interessante.

Falando especificamente de O Guardião Invisível, mesmo sendo um filme longo ele deixa várias perguntas sem respostas. Peca quase mortalmente nisso. Mas desenvolve a história de uma maneira tão tranquila que esto erro capital fica relegado a pouca coisa.

A protagonista Marta Etura, de Enquanto Você Dorme (outra obra que vale a pena ser assistida), tem uma atuação acima da média. Ela é uma excelente atriz. Não esqueçam esse nome.

Imagem relacionada

Marta Etura

A direção de Fernando González Molina, que também  assina Palmeiras na Neve, é segura, detalhista e impõe um ritmo empolgante ao longa. A fotografia, apesar de ter o “defeito” de ser intensamente escura, é de excelente qualidade. Algumas tomadas, por vezes até desnecessárias, são de uma beleza plástica louvável.

Bom enredo

A história é outro ponto positivo.  Uma comissária é designada para chefiar uma investigação sobre um serial killer em uma região que morou quando criança e onde vive sua família nada convencional. Na pequena cidade, percebe que as coisas mudaram pouco desde sua saída, e, assim, além de participar de uma implacável busca pelo assassino, precisará combater fantasmas do seu terrível passado, cheio de tensão e mistérios.

Essa história contada nas  364 páginas do livro escrito por Dolores Redondo é, claro, muito mais completa do que no filme.  Deve responder – eu confesso que não li – todas as questões em aberto que os 130 minutos do filme não conseguem. Mas, mesmo assim, o filme vale a pena.

É um bom exemplar de cinema alternativo. E fazendo um trocadilho infame, uma boa alternativa de cinema.

Está no Netflix.

Quer ajudar o Partiu Cinema?