Redenção

Antes de mais nada, um pequeno esclarecimento: minha posição pessoal não deve ser levada em conta. Cada um tem a sua e, por mais conflitantes que possam ser, todas tem o direito de opinar e devem conviver harmonicamente, apesar das diferenças.

Falo isso porque Redenção trata de religiões. É quase uma catequese. E, apesar de ser um crítico, sei que muitas delas promovem o bem. Muitas salvam e são a única saída para uma infinidade de pessoas. Minha crítica, óbvio, não é sobre isso e sim sobre aquelas organizações que exploram, humilham, roubam, usam e trazem o mal de forma absoluta. Como em todas as áreas, há gente boa e gente má, muito má. Percebam que não falo de deuses ou entidades sacro-santas, falo mesmo de religião.

Resultado de imagem para redenção filme

O Sam Childers verdadeiro

Dito isso e voltando à Redenção: ele pertence aqueles típicos casos em que se tem uma bom enredo e não um bom filme.

A história de Sam Childers, um ex-motociclista, ex-viciado e tudo de ruim que muda radicalmente e dedica sua vida e seus recursos para resgatar crianças em uma zona de guerra no sul do Sudão é simplesmente fantástica. Seguramente uma posição, uma atitude que dificilmente será vista novamente e salvou – a ainda salva – dezenas de crianças. Dessas coisas que, pensando de uma maneira simplista, só traz benefícios. Claro, se formos a fundo, veremos que talvez não seja bem assim. Mas, isso é outra história.

Para conhecer a pessoa

Enfim, apesar do heroico e espetacular argumento, o longa (duas horas e oito) têm inúmeros defeitos. Desde erros graves como um sujeito que fala somente inglês comunicar-se sem problemas com aldeões que nunca tiveram contato com a língua inglesa, até erros bobos como uma “surpresa” para um grupo de crianças sobre um playground que fora construído onde elas moravam sem que eles tivessem visto.

Resumindo: não é um bom filme tecnicamente. É apelativo e quase piegas no que se refere a religião, mas, sem dúvida alguma os fatos que ele conta devem ser prestigiados. 

Se você quiser conhecer a história de  Sam Childers, uma pessoa especial sem dúvida alguma, veja. Mas somente por isso.

Nada mais.

Está no Netflix.

Quer ajudar o Partiu Cinema?