Sereia Predadora

Sereia Predadora, ou Siren no original, é um filme categoria B. Sendo bem generoso, é um bom suspense de terror e ação categoria B.

A história é interessante: uma semana antes de seu casamento, o protagonista noivo e seus padrinhos chegam em uma pequena cidade em busca de uma noite selvagem de bebedeira e libertinagem. Mas a visita a um clube noturno um tanto diferente transforma a despedida de solteiro em uma luta mortal pela sobrevivência. E acontece de tudo, desde violência explícita até o sobrenatural em ação.

Imagem relacionada

Hannah

A história fala também da controvertida Lilith. Entre as várias versões sobre essa personagem que invade a imaginação de boa parte das pessoas, Lilith, em hebraico: לילית, em antigo árabe: ليليث, foi uma deusa adorada na Mesopotâmia e na Babilônia, associada com ventos e tempestades, que se imaginavam ser portadores de enfermidades e morte. Outra corrente afirma que ela foi a primeira mulher de Adão – que veio antes de Eva. A história conta que no início Deus criou Adão e Lilith, ambos do pó. Entretanto, Lilith não aceitava a condição de ser submissa a Adão, até porque eram feitos da mesma matéria. Como deus não aceitou a “insurgência” dela, Lilith então se rebelou e decidiu abandonar o Jardim do Éden.

Várias Lilis

Lilith está presenta em várias culturas. Ela também é estudada em diversas obras da literatura onde frequentemente aparece como um demônio noturno na crença tradicional judaica e islâmica e como um espírito feminino vingativo em outras culturas como a hebraica.

Enfim, Sereia Predadora traz esta personagem do imaginário popular de uma forma estranha, mas, acreditem, bem feita. Quem interpreta é para mim uma desconhecida, chamada Hannah Fierman, que parece ter nascido pra isso. O restante do elenco dei a desejar. E muito. Tem algumas cenas que beiram ao amadorismo.

Enfim, é um filme B que vale a pena ser visto. Talvez pela Lili.

Está no Telecine.

Quer ajudar o Partiu Cinema?